INSULTO AO PÚBLICO

de Peter Handke | leitura encenada | Tiago Correia (La Fin Terrible - Ovar) l 2012

1/1

Esta obra do autor austríaco Peter Handke escrita na década de 1970 propõe uma situação conflituosa entre actores e espectadores, em que o espaço cénico é o principal personagem. O tempo real do espectador e tempo ficcional. O que é ilusão. O que não é. Esta peça pertence ao grupo de peças a que o próprio Handke intitula de “peças faladas”, na medida em que as mesmas não pretendem dar nenhuma imagem do mundo. Estas reduzem-se às palavras e não podem dar por isso nenhuma imagem, nem sequer uma imagem contida nas palavras porque toda a imagem forjada pelo autor não seria uma expressão natural; ela seria exterior.

 

Esta peça constitui um exercício vocal como se se tratasse de um concerto polifónico. Num outro plano, a peça é uma provocação sistemática e inteligente para com o espectador, negando-lhe o direito da sua cómoda maneira de assistir ao espetáculo teatral e ao seu habitual hábito de percepção. É um texto escrito com base no ritmo, a partir de todos os cliché , negativos e positivos, que se podem formular entre as relações público – teatro.

Direção  | Tiago Correia

Interpretação | Bárbara Andrez, Liliana Rocha, 

Paulo Calatré, Raul Correia e Tanya Ruivo

Produção | A TURMA / LA FIN TERRIBLE

Rua da Fábrica Social s/n, 4000-201 Porto

© 2019 · Companhia A Turma

Subscreva a nossa newsletter